O corte do períneo no parto: como recusar

Uma episiotomia é um corte no períneo (camada muscular entre a vagina e o ânus) feito aquando do período expulsivo. Este corte é feito com o propósito de facilitar a saída da cabeça do bebé e proteger o períneo de lacerações graves.

Mas será que protege mesmo o períneo? Podes ler mais sobre isto aqui.

Atualmente existem cada vez profissionais de assistem o parto que defendem que a episiotomia nunca deve ser feita. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a taxa de episiotomias não deve ultrapassar os 10% reservando-a apenas para situações excecionais: bebé que está em sofrimento fetal e que tem que nascer rapidamente.

Existem muitas mulheres que não querem este corte mas não sabem se o podem recusar. Claro que podem. Ora repara:

Em primeiro lugar, pode ser importante escolheres um Hospital com baixas taxas de episiotomia. Sim, não és obrigada a ter o bebé no Hospital da tua área de residência. Podes e deves, se te for possível, escolher um que vá mais de encontro aquilo que é importante para ti. Visita várias Maternidades, faz perguntas, sente o ambiente e as pessoas.

Depois, faz um PLANO DE PARTO e expressa isso mesmo lá, que recusas uma episiotomia. Pode fazer-te sentido expressar que, caso a equipa que assiste ao parto considere este corte absolutamente necessário, queres ser informada e mostrar consentimento prévio.

Mas será que é suficiente a mulher dizer que não quer uma episiotomia?

Lacerações de primeiro grau são consideradas normais no parto e, muitas vezes, nem têm necessidade de sutura. O que não querermos no parto são as lacerações graves (terceiro e quarto grau) que são aquelas que podem envolver ânus e reto.

Existem gestos, comportamentos e posições no período expulsivo que aumentam o risco de uma laceração grave.

O que é que podes fazer em relação a isto?

  1. Informa os profissionais que, para o expulsivo, queres escolher a posição em que queres estar.

Instintivamente e sem precisar de ser orientada pelos profissionais a mulher assume a posição que precisa para fazer nascer o seu bebé. A posição de litotomia (aquela em que a mulher está deitada de costas com as pernas apoiadas em perneiras) está associada a maior risco de laceração grave e, geralmente, não é a posição escolhida quando a mulher tem liberdade para escolher.

  1. Informa que recusas a Manobra de Kristeller.

Esta manobra consiste em aplicar pressão na barriga (pelos profissionais de saúde e até mesmo pelo companheiro, a pedido dos profissionais) durante o período expulsivo. Pelos riscos que envolve para mães e bebés está desaconselhada.

Esta pressão aumenta a tensão da cabeça do bebé sobre os tecidos do períneo, aumentando o risco de lacerações graves.

  1. Informa os profissionais que pretendes fazer força só quando sentires vontade para o fazer e que não queres ser orientada a fazê-lo.

Quando somos orientados a fazer força, fazêmo-lo sem ter noção da intensidade que precisamos ter porque a vontade não surge naturalmente em nós. Quando respondemos ao que o nosso corpo “nos pede” fazemos força no momento certo e com a intensidade certa que o corpo precisa para fazer nascer o bebé, sem provocar tensão excessiva no períneo não aumentando, assim, o risco de uma laceração grave.

 

E é isto que deves expressar claramente no teu PLANO DE PARTO. E lembra-te… tudo o que está escrito no plano de parto deve ser relembrado e validado, assertivamente e olhos-nos-olhos, com o profissional que está à tua frente durante o parto.

DAR TEMPO… Quando damos tempo ao trabalho de parto e ao período expulsivo estamos a dar oportunidade aos tecidos do períneo de se adaptarem e ajustarem ao estiramento que vão precisar de fazer.

Já conheces o EBOOK: COMO TER UM  PARTO POSITIVO, SAUDÁVEL E SEGURO EM TEMPO DE PANDEMIA? Pede o teu aqui.

Sofia Rocha – Enfermeira | Doula | Conselheira em Aleitamento Materno

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *